Exaustão materna

Ontem partilhei na página do facebook uma BD que fala sobre a “carga mental” nas mulheres. Carga mental é, por exemplo,  aquilo que nos faz acordar a meio da noite e ter dificuldade em voltar a adormecer, pois começamos a planear mentalmente tudo o que temos para gerir no dia seguinte.

Ontem foi um dia particularmente dificil por aqui, em que eu além de me sentir exausta tinha imensas coisas para fazer, e “imensas coisas para fazer” + 3 miudos para cuidar e “vigiar”, não costuma dar bom resultado.

Eu tinha coisas para fazer em casa, os miudos queriam brincar no jardim. O problema é que o jardim ainda não tem o nivel de segurança suficiente para eles poderem estar fora a brincar sozinhos: não é vedado, tem escadas – que da ultima vez valeram uma noite no hospital ao Francisco que decidiu desce-las de triciclo – entre outros perigos potenciais.

Por isso, eu tinha de fazer tudo ao mesmo tempo que vigiava os miudos, e tenho de admitir que ao final do dia me senti completamente ultrapassada por toda a pressão que coloquei em mim própria.

Acabei por descarregar a minha frustração nos miudos, ficando ainda mais frustrada.

Há dias, em que ser a mãe que queremos ser é das tarefas mais dificeis do mundo…

Assim, hoje trago-vos uma curta metragem sobre a exaustão materna, e acho que ontem me senti mais ou menos como esta mãe…

Assim vai a vida… aos olhos de uma mãe!

Anúncios

A magia das pequenas coisas!

Quando para nós é só um dia normal, ou dificil, para eles tudo é emoção e sentimento ❤
E porque a infância deles passa demasiado rápido, é importante que possamos nós também conseguir ver magia em tudo o que fazemos com os nossos filhos…
A saudade dos tempos em que “eles eram pequeninos” não vai trazer a infância deles de volta… por isso, sejamos cada vez mais pais e mães presentes e conscientes, mesmo que o tempo que passamos com eles não seja tanto como gostariamos, se estivermos verdadeiramente com eles, os ganhos para ambas as partes são incalculaveis!

Deixo-vos aqui um video que trata duas visões tão diferente de um dia “normal”…

Quanto a mim, com esta sobrecarga de hormonas, foi impossivel não ficar com a lágrima no olho 😉

“Porque o teu normal, pode ser o mágico deles”

 

Assim vai a vida… aos olhos de uma mãe!

2 anos de menino

20170518_072630

Meu Francisco, meu bebé, que hoje deixa oficialmente de o ser…

2 anos que voaram, como acontecece com todos os anos da vossa infância…

2 anos cheios de noites mal dormidas, algumas noites boas e muitas noites assim-assim…

2 anos com alguns sustos: sustos momentâneos e sustos mais sérios, mas em que no fim ficou sempre tudo bem!

Hoje faz 2 anos que nos dás a conhecer a pessoa maravilhosa que és, 2 anos em que, a cada dia de passa, nos surpreendes pelo teu caracter meigo, atento e curioso.

2 anos, em que nos mostras todos os dias, que efectivamente a melhor forma de educar uma criança, de a ajudar a crescer e a desenvolver os seus recursos, é através do exemplo, já que dia após dia, te vemos imitar expressões e comportamentos, que nos deixam tão orgulhosos de ti, e de nós!

Tens dois anos e para ti é tão natural dizer “por favor”, “obrigado” e “de nada”, que fazes questão de lembrar os manos – e as vezes até os pais! – se por ventura estiverem distraídos! E isso é sinal de que também nós, pais, estamos de parabéns!

Francisco, cada “che téme” (je t’aime) que dizes vai directo ao nosso coração. Cada beijo teu aquece-nos a alma. Cada abraço apertado é um cocktail de occitocina para o nosso corpo!

Posso estar aqui a falar de ti horas a fio, que jamais as minhas palavras poderão retratar o meu amor, que claro está, é infinito…

Para ti meu Francisco, que a vida te reserve sempre o melhor!

Parabéns meu amor ❤

Assim vai a vida… aos olhos de uma mãe!

Ainda para o meu “ovinho branco”

fb_img_1479845057386

Meu querido, meu “ovinho branco” como te chamo carinhosamente, porque tu adoras ter essa “exclusividade”…

A vida as vezes dá-nos desafios sem nos perguntar se estamos preparados, atribui-nos missões sem querer saber se nos sentimos à altura, simplesmente nos destina a isso e pronto.

Não escolhi ser mãe de um “ovinho branco”. Ser mãe de um menino que em tanta coisa foge à regra. Mas sem dúvida, que tu és quem mais me tem ensinado nesta longa e bela caminhada que é a vida.

A tua energia, as vezes por tantos tão incompreendida, a tua sede de aprender, tantas vezes vista como “inconveniente”, a tua curiosidade, a tua autenticidade que as vezes não cabe nesta sociedade de moldes quadrados, quero que saibas que tudo isso te torna muito especial, tudo isso faz de ti quem tu és: uma PESSOA ÚNICA.

As vezes eu própria tenho dificuldade em gerir essa tua energia, a tua dificuldade em lidar com a frustração… E a tua pré-adolescência precoce…

E se as muitas vezes choro, não é por estar triste contigo, mas por ter medo de não estar à altura do desafio, por ter medo de não estar à altura daquilo que tu mereces… porque tu meu amor, mereces TUDO!

E eu, eu estarei sempre aqui para te amparar nas quedas e festejar contigo as vitórias que, tenho a certeza, serão imensas! Porque aquilo que o futuro te reserva só pode ser incrivel, incrivel como tu!

Meu filho, é importante aprenderes estratégias que te permitam dominar essa impulsividade, e gerir a frustração… mas não percas nunca a tua autenticidade, porque isso meu amor, vale ouro!

Assim vai a vida… aos olhos de uma mãe!

A tão falada “Baleia Azul”

Andava a querer escrever sobre o assunto há alguns dias. Tenho lido vários textos, e hoje li um que espelha a minha forma de pensar e muito do que eu queria escrever.

Não se trata de usar os pais como “bode espiatório” para tudo o que se passa, mas na realidade a sociedade de hoje está a formar aquilo a que podemos chamar uma gigante bola de neve, que vai crescendo cada vez mais…

Os pais não têm tempo, e quando têm tempo não têm paciência… e os filhos la vão crescendo, porque o relógio não para e a infância deles não é eterna…

Deixo aqui o link do texto, que vale mesmo a pena ler!

https://www.rtp.pt/noticias/opiniao/antonio-esteves/a-baleia-no-meio-da-sala_999367

Assim vai a vida… aos olhos de uma mãe!