Acuso-me: sou uma mãe que grita!

 

Screenshot_2016-08-26-16-51-49-1

Fonte imagem: cartoon.ngmnexpo.com

Sim, eu acuso-me. Sou uma mãe que grita. Mais do que gostaria, mais do que seria esperado. Mas grito. E o mais engraçado é que constantemente digo aos meus filhos que não se deve gritar. Belo exemplo, hein?

Mas quando todas as estrategiass parecem falhar, quando nos sentimos desarmados e que a situação exige um ponto final, não restam muitas alternativas. O gritar funciona muitas vezes para interromper uma “crise”. Outras, admito, nada mais do que para libertar a minha frustração.

Não sou uma mãe perfeita com filhos perfeitos e exemplares. Sou uma mãe imperfeita, tentando melhorar dia após dia, tentando perceber como posso ser uma pessoa melhor e uma mãe melhor, tenho filhos fantásticos mas que como qualquer criança desafiam limites.

No meio de todas as incertezas da maternidade, uma coisa tenho como certa: quero que os meus filhos sejam educados com amor, mas quero também que percebam que há barreiras que não se podem ultrapassar.

Que saibam que na vida não poderemos sempre fazer ou ter o que queremos. Que percebam que a frustração faz parte, e que é ela que nos ensina a lutar.

Que ter tudo de mão beijada não ensina a dar o mesmo valor ao que se consegue conquistar com o próprio esforço.

Que o respeito por si próprio e pelo outro são valores fundamentais.

E se para isso tiver de lhes dar um grito ou outro, seja!

Lembro-me quando trabalhava na urgência de ver mães pedirem por favor aos filhos para os poderem despir enquanto estes corriam pelo gabinete e se escondiam debaixo da mesa. Os meus filhos sabem que a escolha é “queres despir-te ou queres que a mãe te ajude?” E se por ventura começam a “descambar” nada que um firme “agora chega” num tom um pouco mais alto para acabar com a cena.

Não, os meus filhos não têm medo de mim. Simplesmente quando falo mais alto percebem que estou de facto a falar a sério e já não há margem para brincadeiras. Percebem que o limite foi atingido que não há mais espaço de manobra para testes.

As crianças precisam de amor, mas precisam igualmente de regras e limites. Estes três elementos dão-lhes segurança e estabilidade. Permitem-lhes saber que não andam ao “Deus de ará”. Que se ultrapassarem os limites nós estaremos la para lhos relembrar.

Se gostava de gritar somente e apenas em situações estritamente necessárias? Sim!
Se gostava de conseguir gritar menos (ou nada!) para libertar a minha própria frustração! Claro!

Caminho para isso, mas por agora sou apenas mais uma mãe que grita mais do que devia.

Apesar de tudo tenho filhos que são crianças, que se sujam, que fazem asneiras. Mas que também sabem respeitar os outros, que sabem que na praia não se pode atirar areia para cima das pessoas, que dentro dos restaurantes não se corre, e que “Por favor” e “obrigado” são palavras com muito significado!

Assim vai a vida… aos olhos de uma mãe!

Anúncios

17 thoughts on “Acuso-me: sou uma mãe que grita!

  1. Iolanda Vaz diz:

    Boas! Se calhar não te lembras de mim, mas fomos colegas no primeiro ano de curso… Ravarinhas portanto!
    Hoje uma amiga minha partilhou este post (através de uma partilha do colégio da filha) e assim vim eu parar aqui!
    Do que estive a ler, identifico-me com muitas coisas que escreves. E sim, eu grito (muitas vezes!).
    Parabéns pela família é muita sorte e felicidades para todos

    Gostar

      • Miriam diz:

        Hehehe concordo 😁 eu não ia corrigir, mas pensei. E adorei o teu Post😍 vou partilhar, pois sinto me mal por gritar, mas sei que só assim consigo que ele me ‘dê ouvidos’ 😣 enfim e continuarei a gritar smp que me ‘passar’ hehee bjinhos mamãs

        Gostar

  2. Rute Matos diz:

    Revejo-me em cada palavra!
    Agora com um bebé em casa sinto-me frustrada e stressada por passar tanto tempo em casa em pleno verão e o mais velho acaba por “levar” comigo. Cada vez que lhe dou um grito sinto-me uma péssima mãe por não ter a paciência que devia. Aos poucos isto vai lá…

    Gostar

    • Catia Godinho diz:

      A culpa tira-nos anos de vida, no entanto acho que é inevitavel algum sentimento de culpa nestas situações, comigo acontece o mesmo…
      Já leu o meu texto “uma mãe suficientemente boa”? Talvez lhe seja util nesta fase 😉
      Coragem!!

      Gostar

    • Catia Godinho diz:

      Obrigada Tânia! Por aqui o mais velho também é um menino especial, mas tal como diz: tento educar na base do respeito e cidadania, com muito amor à mistura e respeito pelas suas dificuldades😉

      Gostar

  3. Aqui também se grita, mais do que gostaria. Mas é mesmo como dizes… se de outra forma não conseguir passar aos meus filhos alguns limites e respeito pelo próximo, então que seja a gritar.
    O certo é que normalmente não falo a gritar por isso quando falo mais alto ou dou um “acabou a brincadeira” num tom acima e com firmeza é o bastante para as pôr em sentido.
    E sim… às vezes o stress e a frustração toma conta dos nervos e gritar é sempre uma forma de os libertar… podia ir tomar um banho de sais calmantes, ou fechar-me no quarto a ouvir uma música zen mas infelizmente não tenho tempo para isso… o grito ainda é o processo de descompressão mais eficaz para mim… contar até mil também resulta mas às vezes já nem contar sei… enfim… a realidade nua e crua da maternidade.

    Gostar

    • Catia Godinho diz:

      Ahahah um banho de sais e uma musica zen… o sonho!!! 😜
      Por aqui assim que me ouvem gritar também ficam logo em sentido porque por norma também sou uma pessoa calma e paciente 😁

      Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s