O mito do “Leite fraco”

20160110_024744

Fonte: Tela decorativa da Maternidade do Hospital de Morges (Suiça)

Mais uma noite no trabalho, relativamente calma. Quatro mães e quatro bebés ao meu encargo. Nessa noite duas das mães eram portuguesas. Faço a minha “ronda” ao inicio do turno, para ver como estão mães e bebés e para programar o trabalho, e uma das primeiras questões que surgem de uma das mães portuguesas é “e se o meu leite for fraco?”
É a questão que surge com 90% das mães portuguesas que passam pelo serviço. É sem duvida uma questão cultural, de tal forma que quando aqui cheguei todas as colegas me perguntavam de onde vem esta ideia das mães portuguesas.

Não há “leite fraco”. E são muitissimo raras as mães que fisiologicamente têm pouco leite. O que há são bebés que não sabem mamar, mães perdidas porque nunca ninguém lhes disse que a amamentação afinal não é assim tão instintiva e ao inicio até pode ser bastante complicada, e profissionais de saúde muitas vezes demasiado ocupados, muitas vezes sobrecarregados que não têm tempo para acompanhar correctamente estas mães.

Uma má pega pode influenciar muito o (in)sucesso da amamentação. Principalmente se não houver profissionais disponiveis para um acompanhamento adequado.

Este mito do “leite fraco” é alimentado por sogras, familiares “metediças” e amigas (da onça) que têm sempre uma palavra a dizer. Contra a mãe, claro. Porque mãe que é mãe (sobretudo se for de primeira viagem) tem que ser posta em causa.

E muitas mães acabam por ceder quando o bebé tem os chamados “picos de crescimento” – fases em que o bebé tem que demonstrar ao corpo da mãe que é preciso reajustar a produção de leite às suas necessidades, e durante dois ou três dias o bebé pede mama quase de hora em hora. Aqui, a mãe que ja tinha sido bombardeada com os simpaticos comentarios acerca do seu leite muitas vezes acredita que afinal é mesmo verdade e introduz um suplemento. (principais picos de crescimento: 3 semanas, 6 semanas, 3 meses, 6 meses)

Mas a unica coisa que nos diz realmente se um bebé esta a ser bem alimentado é o seu peso.

Por isso se tiver duvidas vá ao centro de saúde, fale com as enfermeiras, procure um “cantinho de amamentação” que já existe em vários centros de saúde, ou procure uma conselheira em aleitamento materno (CAM) perto da sua área de residência. Estes profissionais terão todo o gosto em ajudar!

 

Assim vai a vida… aos olhos de uma enfermeira!

Anúncios

56 thoughts on “O mito do “Leite fraco”

  1. É verdade, ouve-se muito. Muitas mães logo nos primeiros dias introduzem suplemento porque “ainda não têm leite e o bebé chora com fome”. O peito nem chega a ser estimulado e em vez de produzir mais, produz menos. Posso dizer que fui bem acompanhada nesta fase. A mais nova esteve uns dias na neonatologia e havia uma mamada a meio da noite em que eu não dava mama mas as enfermeiras davam o leite num copinho para que a bebé não se acostumasse a uma tetina. Dei mama dois anos, até ela própria querer deixar mas depois de um ano de idade toda a gente me dizia para tirar, que esse leite não alimentava, que ia ficar com uma mama maior (ela tinha uma mama preferida), que prejudicava do casal…. Ouvi isso de muitos médicos infelizmente… É cansativo e Se não estivermos muito conscientes da nossa decisão pode fazer-nos desistir.

    Gostar

  2. Sou profissional de saúde, fiz o curso de Conselheiros do Aleitamento Materno e interesso-me particularmente pela saúde infantil. Parabéns pelo post, com o qual concordo muito! Gostei particularmente da frase “mãe que é mãe (sobretudo se for de primeira viagem) tem que ser posta em causa.”…

    Gostar

  3. Ana isabel Rodrigues diz:

    No meu caso foi a enfermeira que me trouxe o bébé logo com o suplemento, porque tinha sido de cesariana e o leite não tinha subido, etc. Nunca o dei, claro, se fosse preciso dava de mamar de hora a hora até tudo estar regularizado, e correu bem!

    Gostar

    • Catia Godinho diz:

      Cesariana não é critério para introduzir suplemento, aqui o bebe espera que a mãe chegue da cesariana e só em casos especificos damos agua com açucar entretanto ou suplemento apenas se houver indicação médica para tal (percentil de peso muito pequeno ou muito grande, diabetes gestacional etc) quando as maes de cesariana não têm logo a subida de leite damos agua com açucar ou suplemento (dependendo dos casos) num copinho, mas pomos sempre o bebe à mama primeiro e depois pomos a bomba a estimular a subida de leite na mãe… temos o Label da unicef de “Maternidade amiga do bebe” e temos que seguir alguns requisitos neste aspeto, sei que em portugal também já ha algumas, a abordagem nessas maternidades também deve ser diferente…

      Gostar

      • Catia Godinho diz:

        Os “Hospitais amigos do bebe” têm de seguir as recomendações da Unicef, e entre outras coisas a Unicef diz que para um bebe saudavel nascio a termo, devemos dar uma preparação à base de glucose (açucar), e propria para recem-nascidos, visto esta ser suficiente nos primeiros dias como complemento à amamentação e a outras medidas de estimulação do leite materno – como a bomba de leite depois de todas as mamadas. 🙂

        Gostar

  4. Bé Neiva diz:

    Lamentavelmente, fui uma das mães “vítimas” do “leite fraco” e lamentavelmente não foi a mãe, sogra ou amigas da onça que o disseram, mas sim um profissional de saúde. O pediatra do centro de saúde que seguia o meu filho e porque o aumento de peso dele não era o aconselhável, vaticinou que o meu leite não sustentava o meu filho e por isso, decidiu introduzir o suplemento na alimentação dele. Como mãe de primeira viagem e com alguma falta de informação e de acompanhamento profissional (agora vejo que não foi o melhor), confiei no sr. Doutor.

    Gostar

    • Catia Godinho diz:

      Quando o bebe não esta a aumentar de peso em primeiro lugar é preciso “estudar” essa amamentaçao: de qtas em qtas horas, qto tempo passa na mama, se adormece muito enquanto mama etc. Depois é preciso VER o bebe a mamar e corrigir a pega se necessario… não conheço até hoje bebe nenhum que não tenha tido um bom aumento bebendo as quantidades correctas… ha é muitos que por diversos motivos não conseguem beber a quantidade que deviam…

      Gostar

      • Cláudia diz:

        Concordo com tudo… Infelizmente no meu caso, mae de primeira viagem, muito contra as minhas convicções mas já com receio de estar a prejudicar a minha bebé, cedi ao suplemento… Ela nasceu as 37+0 semanas com 2,7kg mas perdeu os 10% do peso após o parto e ao fim de 1 mês ainda não tinha ganho nem 1 grama. Nada! Mesmo depois de a tentar amamentar de 2 em 2 h, e digo tentar porque tinha de a despir toda para a conseguir acordar para que mamasse 2 min antes de adormecer outra vez! Eu acredito que ela não bebia o suficiente, em parte por ser uma super dorminhoca e demasiado preguiçosa mesmo quando era ela a ter vontade de mamar era muito rápida, dava-me a sensacao que se esforcava sempre o minimo. pedi ajuda disseram-me que a pega era boa que não percebiam o porque de não aumentar de peso, para a pôr à mama mais vezes, e eu punha, despia-a, dava-lhe palmadinhas na sola dos pés, ela só queria dormir ( se eu não a acordasse dormia mais de 5h seguidas), eu já não sabia o que mais fazer, já ninguém me conseguia ajudar, já só se falava em suplemento como opcao … Cedi e o peso começou a aumentar logo, no biberão ela não precisava de se esforçar para mamar… Num instante comecou a preferir o biberao em vez da mama. E ja teve permissao para ser dorminhoca a vontade e passou a dormir a noite inteira, 5/6/ 7 h seguidas! O que poderia ter feito a diferença nesta situação? Qual era a solução para salvar a amamentação neste caso? Hoje já tem 2 anos tem energia que não acaba, come bem, e continua uma dorminhoca, embora hoje em dia eu já veja isso como uma grande sorte 😀

        Gostar

      • Catia Godinho diz:

        Muitos dos bebes que saem do meu serviço com suplemento são precisamente os bebes “dorminhocos” ou “perguiçosos”… nesses casos o que fazemos é dar à mãe a alternativa de tirar com a bomba e dar o seu leite no biberão… mas estando conscientes que é uma solução cansativa para as mães que depois decidem o que sera melhor para o seu caso… 🙂

        Gostar

      • Cláudia diz:

        Eu tirei muitas vezes com a bomba embora nao conseguisse tirar o suficiente para todas as mamadas, e fui tentando que ela mamasse, e fui dando suplemento e conseguimos ir assim até aos 3 meses mas ela já não queria mama já só queria biberão e eu comecei a ter pouco leite, aos 3 meses desisti e em 2 dias já não tinha mesmo leite nenhum! Eu tinha muita vontade de amamentar, aquele contacto entre as 2 aquele momento só nosso… custou-me um bocadinho perceber que não iamos conseguir, mas sinto que mais não poderia ter feito!

        Gostar

      • Catia Godinho diz:

        No meio disto tudo o importante é saber isso! Que fez tudo o que podia! Com bebes dorminhocos é muito mais dificil fazer as coisas correrem bem logo desde o inicio… teve o seu leite durante 3 meses o que já foi optimo! Pode ser que o proximo seja um bocadinho menos dorminhoco, mas só o bocadinho suficiente para conseguir mamar bem 😉

        Gostar

    • Tânia diz:

      Partilho das opiniões e devo dizer que também eu fui bombardeada com comentários, criticas, “ditos conselhos”, opiniões…. que a minha menina chorava muito e devia ser do leite fraco. Tive um pediatra (que deixou de ser o pediatra da minha filha logo de seguida) que me deu uma lata de leite em pó para dar à minha filha, sem me ouvir e tentar outras soluções! Graças a Deus sou muito teimosa e estou habituada a lutar pelo que quero. Chorei muito, limpei as lágrimas e fui à procura de respostas na net. No dia seguinte liguei para a enfermeira do Centro de Saúde que me acompanhava e que me disse aquilo que eu sentia e o meu coração me dizia ” Mãe não desista! Vai oferecer mais vezes a mama e mesmo que pense que tem pouco leite, deixe a bebé mamar.” Assim foi e em 2 dias engordou 250gr! De mãe para mãe ” Sigam o vosso coração e não tenham medo de ir contra aquilo que a muitas pessoas pensam. Deixem o bebé mamar sem contar o tempo”. A minha menina tem 13 meses e quase todos os dias me perguntam ” quando lhe vais tirar a mama?????” Hurrrrr

      Gostar

      • Catia Godinho diz:

        Obrigada pelo seu testemunho!! De facto as mães nunca estão bem, se não dão de mamar nos primeiros tempos são criticadas (mesmo que o leite possa “ser fraco”), se dão de mamar até mais tarde também o são… por isso cada mãe deve fazer as suas proprias escolhas que serão sem duvida as melhores para a mãe e o bebé 🙂

        Gostar

    • Cátia diz:

      Sou enfª parteira e conselheira de amamentação, e uma das coisas que me faz alguma confusão é a confiança extrema nos pediatras e/ou enfªs d centro de saúde, nomeadamente quando mães introduzem leite adaptado ou outros alimentos pk o sr doutor mandou ou a enfª d centro de saúde me mandou dar…Mamãs não se esqueçam quem é a mãe do vosso filho/filha, e quem gere a educação e crescimento dos mesmos…confiem no vosso instinto e naquilo que vêm e não no que ouvem…

      Gostar

      • Catia Godinho diz:

        Tenho muita pena que este mito venha muitas vezes da boca de profissionais que deviam ajudar ao invés de stressar ainda mais as mães… é sabido que o ganho de peso de um bebe amamentado não é algo constante, mas infelizmente muitos profissionais ficam “presos” aos 20-30g/dia que se dizia ha anos atras… se o bebe perde peso tem de se tentar perceber o que esta a correr mal ao invés de dizer à mãe que o seu leite é fraco…. :/

        Gostar

  5. Clau Abilio diz:

    Infelizmente fui “vitima do leite fraco” e como muitas ja referiram nao foi a sogra, a amiga ou um familiar. Foram as enfermeiras parteiras no centro de saúde que insistiram, pois o meu bebe tinha perdido mais do q 10% do peso do nascimento.
    Injenua cedi, pois só queremos o melhor para os nossos bebes. Com algum sacrificio consegui dar lhe peito, acompanhado de suplemento, ate aos 3 meses, ele começou a rejeitar me e tive de passar unicamente para o suplemento 😦
    Agora, depois de me informar, já sei que atitude tomar quando, um dia, tiver outro filho, e ninguem me vai vir com a historia de q o meu leite é insuficiente!!

    Gostar

    • Catia Godinho diz:

      As vezes os bebes precisam de um “empurraozinho” ao inicio mas antes de dar esse empurrão é preciso ver essa amamentaçao com olhos de ver. Tive ha pouco tempo na maternidade um bebe que devia ter alta e não teve por estar nos 10% de perda de peso. Os pediatras disseram para tentar perceber o que se passava e se necessario introduzir suplemento. A primeira coisa que fiz foi ver o bebe a mamar e constactei que pegava apenas na pontinha do mamilo e chuchava ao invés de mamar. Corrigi a pega, fiz pesagens antes e depois de mamar (embora haja teorias que digam que não serve de nada, a verdade é que a experiência mostra-me que sim!) Apenas com a correcção da pega do bebe, fazendo-o abocanhar correctamente o mamilo e a auréola, em 24h ganhou 100g e não necessitou de suplemento. Isto para dizer que as vezes é preciso, mas na maioria das vezes basta olhar como deve ser para perceber o que esta mal…
      🙂

      Gostar

  6. Gisela diz:

    Eu dei de mamar durante, mais ou menos, 15 dias mas como o bebé não aumentava de peso o médico disse para lhe dar suplemento no biberon e o Du nunca mais pegou no peito 😦
    Eu tinha muito leite mas era, de facto, aguado, meio transparente
    Como não tive subida de leite e, como foi cesariana de urgência, estive sem comer e beber 24 hora e depois estive 72 horas a dieta liquida….. achei que até podia ser “normal”
    Tive muita pena porque sempre achei que era muito importante na relação mãe/filho

    Gostar

    • Catia Godinho diz:

      Sim as cesarianas tem ainda mais dificuldades e exigem um acompanhamento ainda mais proximo… mas tenho esperanças que as coisas evoluam favoravelmente na realidade das mães portuguesas 🙂

      Gostar

  7. Por causa da teoria de “não existe leite fraco” e que amamentar é que é bom, é que o meu J com 3 anos em 2 semanas tinha perdido quase meio quilo dos parcos 2.5kg com que nasceu e baixou do percentil 25 para o 4… Estava apático, nem chorava… Passava 5 minutos na mama e adormecia. Despia-o, “beliscava-o”, fazia tudo o que me ensinavam e ele nada… E a enfermeira insistia que eu amamentasse… Se tivesse acreditado (ainda mais) matava o meu filho à fome! Foi o pediatra que disse com todas as letras, O SEU FILHO TEM FOME! Vá comprar leite e dê lho! Tão boa mãe que quis ser que fiz o meu filho passar fome…

    E quando nos fazem má cara que não amamentamos fico danada, que nos tentem fazer sentir que somos más mães por isso… Chorei baba e ranho quando o meu pediatra me disse o seu filho tem fome porque eu insistia que TINHA de amamentar… Se alguma vez pensei que ia fazer um filho passar fome… Mas lembro me perfeitamente do primeiro biberão em que ele bebeu os 50ml… Chorei mas de alegria!

    Acho bem que se incentive a amamentação mas calma que nem todas conseguimos amamentar…

    Gostar

    • Catia Godinho diz:

      Sim, ha situações e situações! Nesse caso a enfermeira também não a acompanhou como devia pois não deu valor a certos pontos como a apatia do bebe etc. Ha efectivamente mães que não conseguem amamentar, mas não é por terem leite fraco, é por outros motivos, que na altura deviam ter sido mais explorados! Muitas vezes um bebe que adormece à mama tem muita dificuldade em mamar a quantidade que precisa…
      Para terminar, é claro que uma mãe que não consegue amamentar tem o mesmo valor que uma mãe que amamenta! Até uma mãe que decide não amamentar tem o mesmo valor! A unica coisa que quis referir no texto é que o argumento “leite fraco” é de todos o menos valido (que muitas vezes é infelizmente usado por profissionais que não têm paciência para ir mais além..)
      🙂

      Gostar

      • Xana Valentim diz:

        Até que enfim um profissional da área diz que uma mãe que decide não amamentar tem o mesmo valor! O problema em Portugal para a “persistência” dos mitos é que se apelida de egoísta, preguiçosa, entre outros termos, a quem decide não o fazer. Parabéns por ser capaz de ter uma mente aberta. Esclareçam devidamente todas as mães. Mas parem com a pressão, com o fundamentalismo, com a culpabilização da mulher. Não há “amamentadeiras” e “não amamentadeiras”. Há mães. Todas diferentes, mas todas mães.
        Acrescento que tenho duas filhas. Nunca me “vi” a amamentar. Mas fi-lo, A mais velha era um bebé preguiçoso, Conclusão: a culpa era minha. Eu não conseguia amamentar. Era demasiado nova (30 anos) palavra de pediatra em meio hospitalar. E a minha filha, com fome, já nem no biberão queria pegar, de tão apática estava. Chorei, recriminei-me, entrei quase em depressão.
        Da segunda, preveni-me, Comprei uma lata de leite, Tudo correu bem.

        Gostar

      • Catia Godinho diz:

        Para mim o mais importante é que a mãe se sinta bem com as suas opções… ja tive mães que se percebia de longe que não queriam amamentar, que cada mamada era tensa e quase de lagrimas nos olhos… quando perguntei directamente se queria mesmo dar de mamar, e disse que não amaria menos o seu filho se não o fizesse as lagrimas escorreram… quando a mãe esta bem o bebe também esta, e isso para mim é o mais importante! (Mas volto a frisar que sou 200% pro-amamentação 😛 )

        Gostar

    • DCosta diz:

      100% de acordo com a Sara Santos Silva!! A situação que eu passei e o G. não foi igual à descrita mas tem muitas coisas em comum.

      Há que incentivar mais a amamentação e ensinar as mamãs como amamentar mas também informar a mãe que há situações em que o leite materno pode não ser o suficiente e que principalmente NÂO SE DEVE SENTIR CULPADA!. Sim porque há profissionais de saúde que forçam e seguem uma mentalidade de quase “fanatismo” em relação à amamentação que não é saudável para as mães que não podem amamentar nem para os bebés.

      Em tudo há que ver que cada caso é um caso e que há situações “leite fraco” ainda que raras ou em consequência de situações clínicas.

      Gostar

      • Catia Godinho diz:

        Obrigada pelo seu testemunho! Mas mesmo essas situações não são de leite fraco mas sim insuficiente… o leite não é fraco… mas pode de facto fisiologicamente não ser o suficiente, mas como disse estas situações são a excepção e não a regra… 🙂
        E concordo consigo, os fanatismos não trazem vantagens em nenhuma area, e a amamentação não é excepção 🙂

        Gostar

  8. luisa braz diz:

    O meu filho tem 5 meses e continua a mamar e espero que assim seja por muito tempo, mas de a uns dias para cá que rejeita a mama direita, ja espremi e sai leite mais transparente é certo, mas muito,;porque sera que rejeita?

    Gostar

    • Catia Godinho diz:

      É uma fase de desenvolvimento… puxam o mamilo com a boca e enervam-se à mama desde que o débito seja mais lento… a sugestão é ir mudando de mama cada vez que se enerva até estar saciado… em caso de duvida passe no centro de saude para o pesar e se assegurar que esta a ganhar peso convenientemente, se a resposta é sim não tem com que se preocupar, só ter muita paciência… além disso nessa fase começam a distrair-se muito enquanto mamam o que também não ajuda… tente amamentar num local calmo sem muitos estimulos 🙂

      Gostar

  9. Rita Rosa diz:

    O meu filho mamou logo assim que nasceu, ainda estava ligado a mim pelo cordão, e ele próprio, após ter sido colocado em cima da minha barriga, olhou para a mama e “gatinhou” até ela e mamou. Hoje tem 32 meses e ainda mama antes de dormir. É verdade, tem uma mama preferida, mas nem por isso ela está “deformada”, mas a pressão da família para eu acabar com este hábito é muito grande… Mas, nós vamos resistindo. Obrigada pelo seu artigo que é muito verdade, e,depois, quando as crianças crescem, andam todos preocupados pelo excesso de peso, enfim!!!

    Gostar

  10. Helena diz:

    Não tenho por hábito colocar comentários em blogs e considero que estes, a maior parte das vezes se revelam vãos! No entanto este é um assunto que me é bastante caro
    Não sou mãe de primeira viagem e mesmo quando foi o nascimento da minha primeira filha não me deixei influenciar porque acho que as mães sabem diferenciar o que é melhor para os filhos! !
    Dito isto, eu fui uma das mães portuguesas que você tão critica e que acha que são vítimas. ..mas a partir do momento em que vemos os nossos filhos a não ganhar peso (e tive apoios necessarios de enfermeiros especializados em amamentação), acho que devemos ignorar os fundamentalismos da amamentação e seguir em frente!
    No meu segundo filho, consegui amamentar melhor mas nunca em exclusivo! Não me considero pior mãe por isso e acho que sou merecedora de respeito pelas minhas decisões! É triste ver como das primeiras perguntas que têm para uma mãe é se dá de mamar…isso sim é triste

    Gostar

    • Catia Godinho diz:

      Helena, não sou de todo fundamentalista da amamentação, embora como profissional seja 100% a favor. Mas prefiro ver uma mãe tranquila a dar um biberão do que uma mãe a dar mama contrariada… ja propus a algumas mães passar ao biberão porque via o estado em que ficavam ao amamentar. Não amamentar é uma escolha tão valida como amamentar! O que refiro aqui é esta ideia tão cultural de se ter “leite fraco” que nunca ouvi da boca de mães de outras culturas, e trabalho na suiça, e acredite que temos muitaaaas culturas diferentes no serviço todos os dias…
      Ha inumeras razoes para um bebe não aumentar de peso. O que é um facto é que quando assim é a amamentação deixa de ser prioridade, mas o que eu defendo é que ao invés de se por facilmente as culpas na qualidade do leite da mãe, se investigue mais a fundo porque que o bebe não aumenta, sem o deixar continuar a perder peso. Ja tive muitas mães que sairam de ao pé de mim com leite artificial, porque ha casos em que por mais voltas que se dê o bebe não consegue mamar a quantidade que precisa, e muitas vezes a mãe tem leite com fartura, mas o bebe não consegue por motivo x ou y. E aqui a prioridade é ele sem duvida!
      O que digo no meu texto sem querer ferir ou atacar ninguem, é que não ha leite fraco. Em 8 anos de profissão nunca vi um bebe que mame quantidades adequadas não aumentar de peso, o que vi foram sempre bebes que tinham dificuldade em obter as suas quantidades nas mamadas….
      Mas uma das coisas que digo a todas as mães é que não sou de todo fundamentalista… sou 200% a favor da amamentação até ao momento em que ela se torna um peso para mãe e/ou problematica para o bebe… se calhar penso assim porque antes de ser enfermeira de maternidade sou enfermeira pediatrica, e para mim a prioridade é sempre o bebe 🙂

      Gostar

  11. Claudia Lourenço diz:

    Lindo post.
    É verdade que esse mito está muito enraizado em muita gente. E nós mães (principalmente de primeira viagem) ficamos baralhadas, angustiadas e com duvida de tudo.
    Eu por exemplo tive a minha menina de cesariana, ainda estava no recobro já a tinha junto a mim para mamar. Ela foi sempre mamando enquanto estive no centro materno infantil, quando sai a menina tinha diminuído de peso, tive que ir vigiar passado 48h. Quando voltei lá a menina tinha baixo o peso em demasia que lhe deram logo suplemento, no entanto não desistiram, nem eu tao pouco desistir de amamentar. Tive no centro materno infantil uma manha inteira com a minha menina de um lado a mamar e do outro a enfermeira a tentar tirar leite a bomba e nada… Vim embora desesperada, com medo de não estar a cuidar da minha menina e não conseguir alimentar com o peito. Até mesmo as enfermeiras pensaram que não ia conseguir alimentar, a menina sem força para puxar e eu com o peito enorme. Vim com ordem de introduzir um suplemento no final de cada mamada, mas para colocar sempre a menina na minha mama. Confesso que não dei todas as mamadas suplemento, mas sofri e sofri muito com a menina de duas em duas horas no peito durante uma hora seguida, dia e noite, depois retirava com a bomba, colocava agua quente para estimular. Voltei ao centro materno infantil e a menina já tinha engordado e ai sim já com a bomba as enfermeiras viram leite. Deixei o suplemento artificial. E a menina engordava a olhos vistos. Até que passado dias tive que tomar medicação e ela voltou a não engordar o suficiente. Ai sim voltei a dar suplemento mas do meu leite, pois com toda a força de vontade, apoio das enfermeiras do centro materno infantil, com o objetivo que tinha de amamentar a minha menina, consegui ter leite.
    Hoje a minha filhota tem meio ano ainda só come sopa e fruta ao almoço o resto ainda são todas as refeições leite materno. E tenho cerca de nove litros de leite congelado.
    Menina com 66cm e 7500gr.

    Um bem haja as enfermeiras do centro materno infantil e a todas as mulheres que contra tudo e contra todos amamentam os seus filhos.

    Não desistam nunca. É um bem precioso.

    Gostar

  12. Daniela diz:

    Gostei da reflexão! Da minha primeira filha foi complicado tirar essa ideia enraizada da cabeça das familiares mais velhas (mães, sogras e avos) afinal ao fim de pouco tempo todas deixaram de amamentar por causa dessa entidade mitológica que é o leite fraco… Durante os primeiros meses custou convencer aqueles que estavam a volta que era possível um bebé desenvolver-se com amamentação exclusiva.
    Agora da segunda vez tudo seria mais fácil não fosse o caso de serem gémeos… E o mito regressa… Na primeira semana tivemos de fazer suplemento porque eles eram prematuros e cansavam-se a mamar fazendo hipoglicemias mas mal comecei a ter “leite de gente” ou seja em quantidade de modo que eles já não se cansassem tanto tratamos de abolir o suplemento. Garantimos que eles faziam uma pega correcta, mamavam com intervalos curtos devido às hipoglicemias e que ganhavam peso adequadamente!
    Cá estamos nós, 2 meses e meio e em amamentação exclusiva contra todas as apostas (até no centro de saúde aquando das pesagens questionam 2 e 3 vezes se é amamentação exclusiva)…
    Quando tivermos que suplementar assim o faremos não pelo leite ser fraco mas sim pela possibilidade de ser insuficiente para os 2 malandrecos!
    Só chegamos a este ponto porque somos persistentes e também nós não acreditamos no leite fraco. E sim, os bebés choram por variadíssimas razões, não apenas por fome (ao contrário do que muitas vezes pensam as pessoas à nossa volta que adoram dar conselhos).
    Até lá somos muito mais felizes pois estão a ser alimentados com o mais adequado para eles e podemos ir a todo lado sem ter de levar um batalhão de coisas extra atreladas, já bem chega eles serem 2!
    Ao contrário dos conselhos que me deram o meu seria sejam persistentes, acreditem que o leite materno é sempre o melhor para os vossos filhos. Se estiverem a aumentar bem de peso e forem “bebés espertos” ignorem todos os outros conselhos que vos quiserem impingir no sentido oposto! 😉
    (Já falei/escrevi demais…)

    Gostar

    • Catia Godinho diz:

      Parabéns pela persistencia e pelos “ouvidos moucos”!!! 👏
      Quando são gémeos a amamentação exclusiva tem muito mais tendencia a ver o seu lugar posto em causa, como dizes, pelo facto de serem dois e ser dificil algumas mães terem quantidade que chegue para os dois…
      No meu serviço bebes que fazem hipoglicémias tb são suplementados até à subida de leite da mãe 🙂

      Gostar

  13. Ana Mila diz:

    Olá Cátia.
    Porque este assunto me é caro venho deixar o meu testemunho:
    Como sabes, há por vezes impossibilidades fisiológicas na amamentação. Não sei se poderão ser genéticas mas o certo é que nem a minha mãe nem a minha avó deram mama por impossibilidade.
    Quando engravidei a amamentação era um facto consumado, iria fazê-lo porque era o mais saudável para o meu bebé. Comprei os sutiãs certos, os copos para congelar o leite, a bomba… No curso de preparação para o parto a enfermeira era CAM e sempre nos deu informações preciosas, no Hospital da Luz todos foram fantásticos, a pequena foi posta á mama assim que saí do bloco (cesariana) e fui ensinada e incentivada.
    Só que eu não tive leite, nunca tive… A bebé mamava, avidamente, de hora a hora, mas o peso não aumentava… Com a bomba estimulava mas nunca tirei mais que 15ml… E só quando a pediatra me disse, mãe tentou mas temos mesmo que alimentar esta criança é que caí em mim. Ela estava no percentil 5… e a perder peso…
    Sofri muito, não pela pressão para não dar de mamar mas pela inversa, porque era suposto em CONSEGUIR dar de mamar.
    Ainda assim considero-me uma heroína, dei mama quase até aos 2 meses, o pouco que tinha, e tenho uma filha saudável e feliz, alimentada a biberão…
    Deixo este testemunho para tranquilizar as mães que por uma ou outra razão não conseguiram como eu. Não são piores mães por isso!
    Mas sim, continuo uma defensora do leite materno! 😊

    Gostar

    • Catia Godinho diz:

      Ha sim, por vezes, impossibilidades fisiologicas… é raro, mas existem, e deixam as mães tão frustradas…
      Mas se o amor pelos filhos não se mede aos palmos, também não se mede em ‘mamas’…
      😉

      Gostar

  14. Magda Claro diz:

    Tantas verdades neste post e nos comentários. O meu filho mamou até aos 3 anos e 3 semanas. Com 6 semanas mamava de hora a hora mas o seu peso aumentava de modo a que estava no percentil 90. Sofri imensas pressões para tirar a mama, mesmo depois de duas mastites, mas nunca cedi. Com 2 anos o meu filho foi submetido a um cateterismo e no hospital sofri imensa pressão da parte das enfermeiras, de que a mama já era vicio que não lhe fazia falta, que o leite devia ser fraco, o certo é que se não fosse a mama ele no hospital não comeu nada, porque a comida não era de qualidade. Desde o seu nascimento até aos 3 anos e 3 semanas dormi e acordei de 2 em 2 hora a maioria das noites, fiquei esgotada mas não me arrependo. Durante meses tentei tirar-lhe a mama mas o desespero de ver um filho chorar até à exaustão levou a que o processo durasse. No dia em que decidi tirar-lhe a mama disse-lhe que já não podia ser e ele compreendeu e apesar de ainda hoje me pedir já aceita. Efetivamente depois de lhe tirar a mama passou a dormir a noite toda, passou a comer melhor e eu passei a dormir mas eu tenho a certeza que foi no momento certo e que mesmo tendo com todos “os contras” inclusive de doenças, fiz o melhor para o meu filho.

    Gostar

    • Catia Godinho diz:

      Obrigada pelo seu testemunho! De facto a altura ideal para o desmame é quando a mae e o bebe se sentirem preparados para tal… digo muitas vezes que por alguma razão a mama não vem graduada nem com prazo de validade 😛

      Gostar

  15. Gisela diz:

    No meu caso foi um pouco ao contrario, á quase 7 anos fui mãe pela primeira vez e o meu filho mamou sempre ate aos 18 meses (interrompi por problemas de saúde). mas sempre por minha forte insistência pois no centro de saúde da minha área de residência a enfermeira que lhe fazia a pesagem, chegava ate a ser “desagradável” comigo. Pois cada vez que nós íamos á pesagem o bebe aumentava apenas 90/100g, e a enfermeira sempre dizia, que o menino não aumentava o suficiente que aquilo era muito pouco e que depois nunca estaria dentro dos percentis etc etc… dizia ela que eu tinha a mania de dar mama, mas quem não pode não pode e eu tinha de mentalizar-me que tinha de comprar o suplemento pois podia estar a prejudicar o normal desenvolvimento do bebe..etc etc…

    Aconselhei-me com a pediatra que sempre me disse que na opinião dela só se deve dar suplemento quando um bebe está a PERDER peso e não por só ter aumentado 90 ou 100 g. Até porque o meu filho mamava apenas 5 minutos de uma só mama e só ao fim de 4 horas voltava a mamar. Não chorava, e sempre foi um bebe meigo e calmo. Aliás ainda hoje é assim, uma criança de pouco alimento mas que graças a deus tem muita saúde e energia. Está com quase 7 anos e pesa apenas 17kg e tem 1,15.
    Certo ou errado a verdade é que por também eu julgar que estava a fazer o melhor para a sua saúde, tomei a decisão de continuar só a amamentar e hoje posso dizer que o meu filho nunca tocou num suplemento. Mas é preciso uma pessoa ter “pulso firme” pois as insistências de umas partes e outras e o ouvir uma opinião aqui e outra ali, tem muito que se lhe diga, ai isso tem. 😉

    Gostar

  16. Adriana diz:

    Bom post!
    Sou inteiramente de acordo ! Também me disseram q o meu leite era fraco, a minha primeira filha nasceu no hospital de morges onde me senti bem acompanhada!
    Mas o pânico de não saber fazer bem as coisas e a pressão de pessoas exteriores ao núcleo foi o caos! O meu sonho era amamentar a minha filha, sofri muito com a subida do leite febre , dores horríveis e mamilos hiper sensíveis ! Mas nunca desisti mas o pior foi quando me vi sem o amparo do meu marido quando retomou o trabalho ! A Ale sentiu a minha angústia e chorou toda a noite e queria mamar e chorava os meus primos estavam quase em ferida até que quando o meu marido chegou do trabalho dirigi me as urgências do dito hospital! Onde viram que ela tinha perdido peso e que tinha FOME ! Ficamos internavas essa noite P ver a evolução de peso! Foi lhe dado o complemento que ela bebia sofregamente e parou de chorar e dormia! Ouff! Mas q mãe fui eu ?? Perguntei me tantas vezes 😞😞😞mas insistia com o peito até que ela começou a empurra lo e a chorar e entrávamos em stress as duas ! Decidi parar! Com muita tristeza minha e pumba depressão com internamento ( N foi só por isso mas também ajudou )
    A minha segunda filha desde que nasceu começou logo a pegar o peito bem ! Não foi preciso ensinar – mas que alegria ! O meu sonho enfim realizou se! Pegava peso estava calma tudo como um sonho ! Actualmente tem 8 meses e ainda mama! 😄😄😄 apesar de ser criticada por isso! Dizem que ela e viciada no meu peito ! Mas enfim nem ouço ! Sou eu que decido porque sou mãe ! De vez em quando a mais velha q tem 2 anos também se agarra a mama a emitir a irmã 😂😂!
    Obrigada pelo post

    Gostar

    • Catia Godinho diz:

      Há bebes que nascem a saber mamar… e outros que por muitas voltas que se dê é dificil fazê-los perceber como é que se faz…. que bom a sua menina a ‘reconciliou’ com o aleitamento materno 😃

      Gostar

  17. Monica diz:

    Achei este post super interessante!
    Tive a sorte de ser super bem acompanhada desde o inicio pelos profissionais da maternidade, mas admito que nem sempre foi fácil!
    Por volta do segundo mês pedi a ter a máquina para tirar o leite pois sentia dor quando o bebe mamava…mas com o tempo senti saudades dessa cumplicidade e partilha com o meu filho e comecei de novo a dar o peito e tinha lágrimas nos olhos de tão feliz que estava! Hoje ele tem 6 meses, já não bebd só leite( como é normal) mas o pouco que lhe isso dar ainda faço questão de lhe dar do seio!( a máquina e só para quando tenho festas 😜😜
    Sei que brevemente não terei para lhe dar é isso deixa-me triste porque não me sinto preparada para terminar estes momentos que eram só nossos!
    Por isso se posso dar conselhos a alguém…mamas nunca baixem os braços no que diz respeito ao aleitamento porque todas podemos conseguir, e é um momento tão giro!

    Gostar

  18. Rosalina diz:

    Tivi 3 cererianas e dei entre 11 e 12 meses a mama…muita paciência e uma força interior enorme. Durante este periúdo fui alvo de comentários. Nem sempre foi fácil, mas eu queria dar o melhor e sabia que era o certo. Não existe para mim melhor mimo, que este. Aconchego materno que só é nosso. Eu segui o meu instinto. Hoje digo Obrigada. Meus filhos têm 10,8 e 5 anos, ainda agora pego neles ao colo e sinto esses lindos momentos. E quem me criticou, hoje vê, que o fiz, foi certo. E eu, a única coisa que mudaria, seria, não dar ouvidos à insegurança, que por vezes senti nas opiniões que me tentavam dar, sem eu perguntar. Claro, que tive dores! Com o 1. filho infessões no peito. Aí a parteira me acompanhou por algumas semanas, e depois fica a experiência. E com cada ceseriana e parto, se tem mais dores. Tudo passa. Um bébé quer ouvir o coração de sua mãe, sentir o calor do corpo e seu cheiro. Para todas as mães desejo confiança em seu instinto. Boa sorte!

    Gostar

  19. andreia diz:

    Fui mãe a 18 dias e estou a ficar um pouco aflita,o meu bebe mama,mas quando é para rotar assim que rota o leite vem todo fora em todas as mamadas depois chora com fome,tenho que recorrer ao suplemento,o que poderá ser?

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s